Friday, December 28, 2007

sexo, mentiras e videotapes

amor, verdades e memórias

...pouco importa o que fica em "registros oficiais", públicos ou não, ...imagens, palavras, sons... são tão manipuláveis quanto podem ser manipulantes, (claro, sabemos disso, ainda mais quando se trabalha com isso, ...em arte, a boa articulação dos signos é o que possibilita a transmissão desejada... e esse "boa" nem sempre significa de alguma qualidade tida por superior ou mais aceita, nem mais correta ou mais surpreendente, ...nem mais natural... é uma medida um tanto imprecisa e mesmo assim, difícil de acertar, mesmo de raspão, ainda mais em cheio!!! ...bem, isso "se estivermos falando sério" né? vishh desvio muito grande!!!) assim... só importa mesmo o que se sente, e esta sim é a única verdade, não se consegue 'mentir' um sentimento pra si próprio!* ...somos muitas instâncias e fatalmente uma delas sempre soa o alarme da 'auto sinceridade interna', esfregando por dentro a verdade na nossa carne, ...mas como só dói na alma, dá até pra disfarçar dos desatentos ...wow!

...e o que fazer quando tudo está 'na mesma' mas... completamente diferente? ...Logun Edé com astúcia de caçador e paciência de pescador dá uns caminhos... e as montanhas e os rios de Lao Tse também... hmmm... well, enquanto isso, fico aqui lembrando do duchampiano "princípio da contradição" , observando as mais alarmantes e engraçadas contradições minhas e dos outros... no que se vive, nas coisas que acontecem, coisas que se vêem, coisas que se observam ...em verdades incongruentes, mentiras encaixadas, confissões inconfessáveis, nas verdadeiras memórias, nas mentiras falsas, ...ou nas sinceras, histórias, histórias e mais histórias... aliás, como ouvi histórias nesses últimos dias... desde a atualização de fofocas às mais bizarras opiniões sobre isso, aquilo e aquilo outro... (e esse período de natal e de festividades pré-programadas é muito rico em fofocas familiares, especialmente sobre os entes ausentes, ...não gosto nem de imaginar o que devem falar de mim em minha ausência AHAHAHAH)

...ok, ok, ...tudo bem, vamoaê... como um velho marinheiro, tentando manter a calma dentro da tempestade, ...e acima de tudo tentando confiar nos próprios sentimentos e instintos para conseguir alguma quietude no coração e na mente para enfrentar o que deve ser enfrentado... mesmo sendo tentado por todo tipo de provações (ou seria: sendo testado por todo tipo de provocações hehehe) ...mas, no fim, confiando (pois é!) total e cegamente no que sinto e, fazendo pouco ou nenhum esforço pra "tentar entender" o que sinto, ...e nem o porquê ...apenas sentindo (mas poucas coisas afinal têm esse poder de nos fazer "parar de pensar" e passar a "só sentir") (e fazê-lo por opção, além de ser um exercício dificílimo, é uma decisão corajosa em prol de algum desejo de ligar deliberadamente o "botão-do-foda-se" e mergulhar realmente aonde se quer...) (mas... "é preciso estar atento e forte") ...procurando estar sempre pronto para viver o que há para viver... fazendo as escolhas, pois afinal, é sempre disso que se trata... ESCOLHAS, já que as possibilidades são sempre tantas... e, na aparência, praticamente ad infinitum...

é isso! a verdade interna é absoluta, é comum a todos e qualquer pode saber da sua, tem livre acesso à essa voz... aceitar ou não o que ela diz ...É escolher ...sei bem onde gosto de atracar o barco, ...sei onde está amarrado meu coração, ...sei a quem quero amarrar ...sei do que sinto falta, de quem sinto saudade, quem me toca, a quem toco, com quem quero estar, com quem quero ir seja pra onde for, ...por quem dou fácil a vida sem nem me questionar qualquer por que... e etc, etc, etc... e baboseiras mil ...oh lord! hehehehe ...porque sim, ora!!!

*mesmo que desejado, esperado ou semeado, ...não se cria, ...brota por si!

1 Comments:

At 05 February, 2008 13:58 , Anonymous polihedro said...

hey, estou lendo os textos e, óbvio, vendo as fotos. Mas, afinal, é muita imagem... como v. quer que o público não fique vidrado? J.

 

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home